Como Fazer um Conto

Posted on

Como Fazer um Conto – Que escritor quer a obscuridade? Para passar semanas, meses, crafting uma obra de ficção só para tê-lo tornar-se uma reflexão tardia nas mentes de um público meros momentos após a sua conclusão? Devastador.

Mas para criar algo com poder, algo com emoção, algo que vive e respira dentro dos corações e mentes do público por anos para vir? Escritores em todos os lugares acenar a cabeça em concerto, isso é o que eu quero para o meu trabalho. A chave para alcançar este efeito duradouro repousa na compreensão das diferenças entre um conto e uma história.

Como Fazer um Conto

 

O conto

Um conto é uma afirmação — uma progressão linear simples de um ponto a outro. Isso aconteceu, então isso aconteceu, então houve um resultado. Um conto existe sem maior sentido de seu eu, nenhum propósito maior além de um simples rehash de eventos. Explorações pensativas de questões temáticas encontrar pouco santuário dentro desta forma de ficção.

Mas talvez o aspecto mais surpreendente do conto, particularmente dentro do contexto de filmes, é que ele não implorar várias Viewings. Todas as seleções além da primeira tornam-se um processo doloroso suportado somente por aqueles com uma afinidade para o assunto. 127 horas capta audiências com seu conto angustiante de alpinista Aron Ralston (James Franco), mas alguém faz o esforço para vê-lo mais de uma vez? Pode-se argumentar que esta apatia existe por causa da natureza biográfica do filme, mas então que sobre Amadeus ou Hotel: Ruanda?

A falta de motivação para assistir uma segunda vez existe porque 127 horas não tenta dizer nada. Não discute uma posição. A história do que aconteceu e como aconteceu torna-se mais importante do que a soma total do que aconteceu. O entretenimento suplanta a finalidade. Resumindo, é um conto.

E 127 horas não é o único-tomadas, Coraline, batalha: la, verdadeiro grão, Inglorious Basterds, 2012, onde as coisas selvagens são, o informante, inimigos públicos-todos os contos com pouco a dizer. Todas as obras de ficção que são facilmente esquecidas.

 

A história

Uma história é um argumento-uma exploração cuidadosamente trabalhada de elementos temáticos projetados para argumentar que uma abordagem específica resolver problemas é mais ou menos apropriado do que outros. Há um propósito. Há a intenção do autor. Há algo que o escritor está tentando dizer. Agora, há uma série de obstáculos e barreiras que podem diminuir a eficácia deste argumento (bem-intencionados executivos de estúdio, sistemas de som defeituoso, membros da audiência distraído), mas a diferença primordial entre os dois é que o sentido de propósito.

Em nítido contraste com o conto, uma história compele as vistas subsequentes. Este desejo de ver um filme de novo e de novo existe porque uma história nos oferece algo que não podemos encontrar na vida real: significado. Tão deprimente quanto pode ser considerar, a vida real não tem nenhum significado sem algum contexto maior dentro de que para apreciá-lo. Histórias — histórias completas — fornecem um contexto maior.

Ao oferecer uma visão objetiva em eventos de uma história e ao mesmo tempo, oferecendo uma visão subjetiva (através do personagem principal), uma história dá aos membros da platéia uma experiência que eles não podem ter por conta própria. Esta experiência é porque os membros da audiência retornam a um filme repetidamente outra vez. Star Wars, o Shawshank Redemption, a vida dos outros, o padrinho, o apartamento, o som da música, Toy Story, Toy Story 2 (praticamente qualquer coisa Pixar), o discurso do rei, o Cavaleiro das trevas, boa vontade de caça, Chinatown-todas as histórias com muito a dizer. Todas as obras de ficção que não são tão fáceis de esquecer.

 

Histórias curtas e contos curtos

Mesmo uma história curta pode ser uma “história”. Quando não puderem apreciar o luxo do tempo e do espaço que seu primo cheio de duas horas pode, as histórias curtas podem empregar a mesma finalidade de fornecer algum significado maior para sua audiência.

 

Raspar o rebocador

Neste livro clássico de ouro, sonhos arrastados de uma vida maior longe de sua prateleira de brinquedo pouco e longe do homem no empate polka dot que é dono dele. Reconhecendo a necessidade do brinquedo de esticar suas pernas de mar, o homem deposita o brinquedo indefeso em sua banheira. Isso não é suficiente para o rebocador e o homem cede, levando arrastado para o rio local.

O desgaste aproveita a oportunidade para se libertar do seu mestre opressivo e navega pelo riacho balbuciante. A vida, ao que parece, apresenta mais do que simples aventura: há uma coruja, um coelho assustador, pontes, chuva, sacos de areia e, finalmente, o mar aberto. Confrontados com a ansiedade do azul ilimitado selvagem antes dele, desejos arrastados para algum Salvador-e recebe-lo. O homem da gravata de bolinhas apanha-o e leva-o para casa. Sã e salva, o desgaste alegremente desiste de seus grandes sonhos para o conforto da banheira do velho.

 

Sam e o Firefly

Sam, a coruja precisa de um amigo. Todas as noites ele procura e todas as noites ele vem de mãos vazias. Difícil fazer um amigo, especialmente quando o seu status como uma “coruja noturna” encontra-lo acordado, enquanto outros dormem.

Em passos Gus, o Firefly com um dom para travessuras. Finalmente! Sam pensa e juntos os dois voam pelo ar noturno, lançando este caminho e aquilo. Sam ensina Gus para escrever “Sam e Gus” no ar, solidificando seu relacionamento, enquanto ao mesmo tempo, fornecendo o potencial para o problema.

Gus, impulsionado pelo desejo de se divertir, não importa o custo, leva suas novas habilidades e começa a causar estragos na infra-estrutura de sua comunidade. Ele diz aos carros para “ir para a esquerda” e “ir para a direita”, esmagando-os uns aos outros. Ele diz aos aviões para “subir” e “descer”, colidindo com eles. Em um estranho inverso de complicações progressivas, ele diz às multidões que têm acesso a um “show gratuito”. E ainda mais estranho ele muda o sinal de um vendedor para ler “cães frios” em vez de “quente”.

Sam luta com ele a cada passo do caminho, mas Gus é um vagalume teimoso. Quanto mais Gus vai em seus passeios maníacos, quanto mais ele dirige uma cunha entre a sua amizade chafurdando.

O vendedor de cachorro-quente pega Gus, o segura em um pote de vidro, e o leva para o país, ostensivamente para acabar com sua vida. Sam segue de perto, perturbado com a perspectiva de perder seu único amigo. Sozinho no frasco, Gus experimenta um momento de auto-consciência, prometendo mudar se ele sair dessa. Felizmente para ele, o caminhão do vendedor está parado em um par de trilhos de trem.

Sam pega o jarro de vidro e o esmaga, libertando Gus. Sam implora que seu amiguinho faça a coisa certa. Sem hesitação, o Firefly escreve “Stop! Pare com isso! “na frente do trem, salvando o vendedor e evitando qualquer destruição.

Os dois voltam para casa em segurança. Sua comunidade retorna a um estado de normalidade, mas mais importante, seu relacionamento sobrevive intacto. Sam vai dormir que o conteúdo da manhã com o conhecimento de que quando o sol se põe mais uma vez, seu amigo estará lá esperando por ele.

 

Narrativa significativa

Um desses livros é um conto, o outro uma história. Pode dizer qual é qual? O conto simplesmente Strings juntos uma série de eventos que termina porque não há mais eventos para contar. A história argumenta que há uma certa maneira de ir sobre a resolução de problemas, uma abordagem propositadamente dá lugar a outra.

O desgaste tem um sonho, segue-o, começ scared borrado, contudo antes que possa ter o momento da auto-consciência (que o momento do pulo da fé todos olha para), o homem idoso Pisa dentro e toma a decisão para ele. Um desprezível Deus ex machina que faz a afirmação pendurar ao redor o tempo suficiente e alguém virá junto e salvá-lo. Parece emaranhado, não é? Para essa matéria, soa como o salvamento do soldado Ryan, a história 3 do brinquedo, guerra dos mundos ou qualquer outro trabalho da ficção que enfraquecesse toda a intenção purposeful teve com mero acaso.

Compare isso com Sam e seu amigo Gus. Duas abordagens: uma impulsionada por fazer o que é certo, o outro impulsionado por fazer o que é mais divertido. As duas abordagens batalha-lo até que eventualmente, um dá lugar ao outro. Gus muda sua abordagem eo resultado que se segue acontece por causa dessa mudança. Os eventos e escolhas feitos significam algo.

 

Homenageando o público

Autores de sucesso usam personagens, enredo, tema e gênero para argumentar uma abordagem para resolver problemas. Sam eo Firefly não é uma obra-prima, mas ele funciona muito melhor do que o arrasto insidioso do rebocador, porque se esforça para dizer algo significativo. Não depende da chance de salvar o dia. Não desrespeita o público.

Elaborando um argumento, os autores respeitam o tempo e a atenção concedidos a eles por um público. Espectadores e leitores querem que a experiência que eles não podem encontrar por conta própria. As histórias satisfazem essa necessidade. Contos não.

Os escritores que anseiam a vida eterna para o seu trabalho faria bem para acompanhar a promessa de entregar algo especial. Entregar uma história e o público vai responder em espécie.

 

Teoria da história avançada para este artigo

A teoria dramática da história foi projetada especificamente para ajudar os autores a escrever histórias significativas. Além de simplesmente fornecer modelos de batidas culturais, o programa incentiva os escritores a pensar profundamente sobre o seu trabalho e fazer o esforço para explorar plenamente as questões temáticas que desejam cobrir.

Vídeo relacionado sobre Como Fazer um Conto

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *